img
Atitudes transformam realidades
Home / Nossas atitudes

Indicação de Livros

Indicação de Livros
Em 13/11/2019
Veja os livros que indicamos como leitura básica para entender a trajetória do Negro no Brasil desde a era colonial aos dias atuais. Acompanhe nas nossas redes sociais

Começamos as indicações de livros para o Mês da Consciência Negra 

- O primeiro livro é Lugar de Fala de Djamila Ribeiro. Djamila aborda que, diante da sociedade estruturada no racismo, em que foi dada invisibilidade às vozes negras ai longo dos séculos, pergunta-se: quem tem direito à voz? O livro aborda a urgência pela quebra dos silêncios instituídos.Os negros, assim como outros grupos marginalizados têm uma grande importância enquanto donos de sua fala,pois novos lugares de fala proporcionam outras perspectivas que rompem com a história, antes contada somente pela perspectiva branca.
 
-O segundo livro é o Genocídio do Negro Brasileiro, de Abdias Nascimento. Quer conhecer a história real do negro no Brasil? Neste livro você irá se deparar com passagens da história que não são ensinadas nas escolas, como por exemplo, o verdadeiro motivo da política de imigração, o branqueamento da raça como uma estratégia de genocídio e pessoas tidas como grandes personalidades na história, mas que na verdade foram grandes motivadores do racismo no Brasil.

- O terceiro livro indicado é o Memórias da Plantação, de Grada Kilomba. Este livro tem como primeiro capítulo, "A Máscara" e traz a imagem da escrava Anastácia, que utiliza uma máscara de ferro que tapa sua boca. Grada discorre sobre essa imagem a política sádica e violenta do colonialismo, um sistema que silenciou as vozes vindas da África. Então a autora questiona: Por que o sujeito negro tinha que ter sua boca tapada? O que elas/eles diriam se suas bocas não fossem silenciadas? O que os senhores da colonização mereciam ouvir?
A máscara de Anastácia, infelizmente continua presente na sociedade brasileira. Está simbolicamente presente,quando se pode ver negros serem as maiores vítimas de homicídios;representantes políticas negras serem assassinadas por enfrentar o discurso homogêneo da branquitude; grandes heróis e heroínas negros e negras serem negados no processo histórico; a presença quantitativamente maior de brancos nas propagandas e novelas do país. A máscara continua presente, mas cada vez mais posicionamentos de negros e negras nos campos acadêmico, literário e político vêm quebrando-a, fazendo surgir discursos no meio do silêncio.

-A quarta indicação traz dois livros de Conceição Evaristo, que são Ponciá Vicêncio e Olhos D água. Suas personagens, retrata  na linguagem literária, as dores e dificuldades enfrentadas pelas negras do Brasil. Cada personagem personifica uma dor e enfrentamento singular, mas todas compartilham uma dor única, a do preconceito racial, que as faz viver em sofrimentos constantes, que traz em seus olhos as lágrimas frequentes do sujeito negro marginalizado pelas blasfêmias de uma sociedade estruturalmente racista. Essa sociedade...que interrompe sonhos, que interrompe vidas pretas.

Foto Foto
Foto