img
Atitudes transformam realidades
Home / Saiba mais

Fato “Imprecionante”: As aulas começam com um Ministro da Educação que tem graves erros de Português.

Fato “Imprecionante”: As aulas começam com um Ministro da Educação que tem graves erros de Português.
Em 04/02/2020

Em fevereiro as aulas das redes pública e privada de ensino infantil, fundamental e nível médio são iniciadas em todo país. As escolas, já alicerçadas nos seus planejamentos pedagógicos, dão início a um novo ciclo de uma jornada recheada de ensino, aprendizagem, criatividade, teorias e práticas que fundamentam a educação dentro dos parâmetros sugeridos pelo Ministério da Educação.

Ministério da Educação... o que falar desse local que a priori deve ser o seio jorrante de conhecimento e pesquisa quando se é administrado por um cidadão que comete erros primários da sua própria língua? Que tipo de exemplo é um ministro que escreve “imprecionante”, “suspenção”, “paralização”, para os jovens estudantes do Brasil? As aulas iniciam com esses erros de gravidade imensurável, infelizmente! O que conforta é saber que o ministro Abraham Weintraub não estará nas salas de aula ensinando Língua Portuguesa e nem uma outra disciplina.

Mas as escolas não estão salvas por não terem em suas salas o professor que assassina a gramática, o Weintraub. O ministro que desmantela a Língua Portuguesa não admite Paulo Freire nas salas de aula, pertence a um grupo que acredita que a Terra é plana, faz reuniões com o presidente da república com uma biografia de Ustra na mesa de discussão. Os professores responsáveis pelos alunos podem salvá-los dos erros gramaticais, mas muitas mentes estudantis já encontram-se contaminadas pelos pensamentos retrógrados e ultraconservadores.

Muito mais graves que os erros gramaticais, são os pensamentos proliferados pela equipe que o ministro pertence. Ouvi o depoimento de uma professora que disse que em uma de suas aulas levou o conceito, o significado de democracia para a sala de aula, pois tratava-se de um tema que complementava sua proposta de ensino. No dia seguinte, a mãe de uma aluna foi ao encontro da professora ameaçá-la e adverti-la de que não se deve falar de política na sala de aula. Que tipo de democracia é essa em que falar do conceito de algo que está ligado à esfera política, na sala de aula, é um equívoco, um crime?

Essa mãe é uma das muitas mentes já infectadas pelas propagandas ultraconservadoras que baseiam-se em fakes, em teorias absurdas que confrontam as conquistas intelectuais do século XXI. Essa mãe é um perigo para a manutenção da democracia do país, é o tipo de cidadã masoquista, que tem seus direitos sociais aniquilados e defende a política que as aniquila, em nome de uma ideologia sem fundamento, de uma religião, seja lá o que for.

Pois bem, aulas iniciam com um ministro imprecionantemente inadequado, que comanda um ministério que deveria sofrer uma paralização, por falta de competência; que deveria ser suspenço de suas atividades ministeriais. No entanto, pior que os terríveis erros é a divulgação do pensamento proposto pelo Ministério, que marginaliza o maior pedagogo do país, Paulo Freire, que desconhece o valoroso trabalho de Anísio Teixeira, que oprime as teorias pedagógicas construídas no Brasil e são adotadas em países de primeiro mundo. Diante desses fatos, fico cada vez mais impressionada com o tipo de governo que elegeram!Imprecionante!!


Uma observação: Enquanto escrevia, fiquei imaginando quantas palavras Weitraub erraria. Também me questionei: Será que o editor de texto do celular e do computador do ministro não funcionam????


Maíra Bahia

Idealizadora do Atitude Social Já